10 músicas para esvaziar a pista de dança

Uma vez li uma entrevista antiga do Born Against, uma banda que eu amava quando mais novo – amo ainda, mas já amei mais -, na qual o vocalista, Sam McPheeters, defendia música feia, que não é feita para dançar. “Feio como inaceitável, feio como algo que você não pode dançar ao seu som”, ele dizia. Porque, para ele, se a música fazia as pessoas dançarem, não era “desafiadora o bastante”.

Quanta bobagem…

Eu, jovem branco punk que praticava a discordância por esporte, achei lindo. Carreguei isso por um tempo e, por volta de uns nove ou dez atrás, eu ainda padecia residualmente dessa noção. Nessa época, estava rolando uma nova tendência chamada new rave. Nossa. Aquilo me irritava. Uma parcela do rock na época estava dedicada a usar roupas à lá Pakalolo anos 90 e se matar na pista de dança.

Meu subconsciente releu a entrevista do Born Against. E resolvi fazer uma lista de músicas para esvaziar pistas de dança – que não foi publicada, claro.

Antes de prosseguir, deixa eu só reforçar uma coisa: não sou um dançarino e, em festas em geral, você provavelmente vai me ver encostado no balcão bebendo. Mas dançar é legal. É um jeito muito direto que o ser humano tem para se expressar – e com o seu melhor instrumento: o corpo. Primitivo no melhor sentido possível. Portanto, pessoas, dancem que é ótimo.

Mas suponhamos que você tenha uma emergência, tenha que esvaziar uma pista em nome de uma causa nobre, tenha que colocar gente inconveniente para fora do seu salão… Ou só queira mesmo ouvir música feia. Para todos esses fins, aqui está uma boa lista.

“Well Fed Fuck”, Born Against, Nine Patriotic Hymns for Children, 1991
Os musos inspiradores desta lista. Se você conseguir fazer um dancinha fofa ao som disso, me mande um vídeo, por favor.

“Dunkelheit”, Burzum, Filosofem, 1996
Explosão de bad vibes. Estraga qualquer festinha animada.

“Chemical Suicide”, Lärm, Campaign For Musical Destruction, 1984
Um clássico do punk holandês. Rápido, desafinado, fora do tempo e ainda tem um disco chamado Campaign For Musical Destruction.

“Metal Machine Music Part 1”, Lou Reed, Metal Machine Music, 1975
Recomendo o disco inteiro, uma hora e meia de barulho e ruídos. Não tem uma notinha sequer.

“Trilha Sonora dos Goonies”, Jäzzus, Drunk Fools vs. True Till Death v/a, 2002
Vem da escola do Lärm, mas é de Vila Velha, Espírito Santo. Faça as contas.

“Macchina Tipografica”, Luigi Russolo, por volta de 1913
Música erudita de vanguarda italiana do início do século XX. Incomoda igual banda punk desafinada.

“A Screw”, Swans, Public Castration is a Good Idea, 1986
Um dia, um amigo meu passou a tarde ouvindo esse disco. Não demorou para que a mãe dele batesse na sua porta, perguntando se estava tudo bem.

“Worms Plastic Earthbound”, Merzbow, Pulse Demon, 1996
Se você colocar qualquer disco desse japonês numa festa e as pessoas continuarem por lá, alguma coisa não está bem.

“Scream”, Black Flag, My War, 1984
Diretamente das profundezas do lado B do My War, famoso por criar mal estar em ouvintes.

Bob Marley EP, Pluto, 2003
São 25 minutos de um reggae tocado por quem não sabe tocar reggae, por cima ainda tem uma voz em portunhol cantando um suposto discurso do White Panther Party. Desafio-lhe a escutar tudo.

Anúncios

3 pensamentos sobre “10 músicas para esvaziar a pista de dança

  1. Pingback: 10 músicas para esvaziar a pista de dança – New Yeah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s